Barcelona para mochileiros (Dia 2)

Por Bruno Bosi

Como estava bem cansado, me dei o luxo de dormir até um pouco mais tarde. Depois de levantar, resolvi tomar café no mercado La Boquiera. MEU DEUS, tomem sempre café lá. É incrível: frutas frescas, suco variados, comidas de tudo quanto é jeito. Porém não é barato, então não se empolga ao entrar no mercado porque há várias barracas que vendem os mesmos produtos. A dica é ir andando até o fim do mercado, onde os produtos são quase 25% mais baratos.

20140726_10451720140726_10455020140726_11080920140726_111142

Como levantei mais tarde e fiquei entusiasmado com o mercado (rodei cada centímetro gastando quase 2 horas lá), almocei por lá mesmo. Os melhores frutos do mar que já comi! Não é (muito) caro e vale cada centavo – paguei em torno de 10 euros (tome a famosa sangria junto do calamari).

image

O que mais me impressionou no mercado foi como as frutas e frutos do mar eram frescos (alguns ainda vivos). Dica: se for vegetariano, nunca entre neste mercado. Tem, além disso tudo, presuntos, azeite, sal, azeitona e outras “especiarias” para vender. É de encher os olhos.

.
20140726_110046 20140726_111553 wpid-wp-1408413711832.gif

Depois do mercado, resolvi ir para a praia (La Barceloneta), que é um pouco distante do hostel (uns 7 km, acho). Sugiro que ande pelo menos uma parte porque é muito bonito. Depois de andar um bocado, aluguei um longboard e fui passeando até a praia mediterrânea:

Vendo Barcelona de forma diferente. 

A post shared by Bruno Bosi (@brunobosi) on

20140726_135056

A praia é bizarra: a areia não é nada parecida com a brasileira. De qualquer jeito foi bem bom. Só não se assustem com a galera pelada: nudismo lá é mais do que normal.

Hora de voltar pro hostel, descansar um pouco e sair de novo para o Parc Güell. O parque é uma das famosas obras do arquiteto Antoni Gaudí, que buscou inspiração em todas as suas obras no movimento da natureza (ou seja, nada de linhas e cantos). O lugar é muito bonito, mas é preciso comprar ingresso para entrar (para variar) na parte mais interessante do parque. Comece pelo mirante, pois a vista é linda e você consegue ver as obras de Gaudí de longe. De novo, aproveite o pôr do sol. Não se esqueça de reservar o horário de entrada no parque pela internet, primeiro porque é mais barato (7 euros na internet e 8 diretamente no parque) e segundo pois não estará sujeito à indisponibilidade de ingressos.

20140726_203807

20140726_203334

Para falar a verdade, quando entrei na parte exclusiva de ingresso não fiquei tão surpreso. São incríveis os mosaicos de Gaudi e é imensurável o tamanho do trabalho que ele teve para fazer cada metro de parede e escultura. Mas não me encheu os olhos. Gosto próprio. Fim de turismo, voltei pro hostel, devo dizer, decepcionado.

Chegando no hostel era hora de achar algo para fazer. E a maior vantagem de ficar em hostel quando você está sozinho é a socialização: 10 minutos no hall e arranjei a companhia de uns italianos e umas francesas para sair. Depois já viu, né? Bebeu, dormiu.

imageNeste dia, ao todo, andei 26 quilômetros com bastante prazer. A propósito, sempre meço a quilometragem pelo aplicativo S Health, que já vem preinstalado no Galaxy S4. Aconselho a todos que têm Galaxy com este aplicativo a usufruirem a sensação de “nossa, andei mesmo tudo isto?”.

Anúncios

Sobre brunobosi

Brasileiro, 19. @brunobosi
Esse post foi publicado em Espanha, Europa e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Comentários, sugestões, dúvidas? Respondo a todos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s