Hong Kong: o primeiro contato com a Ásia

O Mochilão finalmente chegou à Ásia depois de 14 horas a bordo de um avião da Cathay Pacific. E que evolução em relação à American Airlines! Além do serviço de entretenimento individual, também deu pra tirar a barriga da miséria com franguinho grelhado, salada de camarão, biscoitinho de chocolate, picolé Haagen-Dazs de sobremesa… nham!

Na hora de desembarcar em Hong Kong, a ficha começou a cair. Depois da passagem pela imigração e tirar no caixa uma quantia de dinheiro suficiente para mais uma semana, percebi que um mundo completamente novo está logo ali, a apenas alguns meridianos. Foi legal começar esta aventura pelos Estados Unidos, mas agora o negócio é bem diferente: Os olhos puxados são maioria, a linguagem é incompreensível e os hábitos culturais podem assustar.

Os dólares de Hong Kong: não vá pensando que é muito dinheiro só pela quantidade de zeros

A primeira coisa que eu precisava fazer era encontrar um lugar para ficar. E aí você me pergunta: “Fellipe, seu doido, por que você não fez reserva antes?” Como vocês já sabem, meu orçamento é limitado e os hostels são sempre minha primeira opção. O problema é que aqui em Hong Kong não existe esse modelo de sucesso dos albergues da juventude ocidentais – especialmente devido à limitação do espaço, que aqui é um bem escasso e, portanto, caríssimo.

Antes de detalhar a via-crúcis em busca de uma cama preguiçosa pra deitar, preciso fazer uma pequena introdução sobre esta terra de malucos: Hong Kong é uma região composta por uma pequena península e mais de 200 ilhas (a principal delas chamada Hong Kong Island). Era uma colônia inglesa até 1997, quando seu controle foi novamente repassado à China sob um acordo que a tornou uma Região Administrativa Especial. Ou seja, Hong Kong faz parte da China mas tem autonomia suficiente para adotar uma forma de governo distinta (ainda bem, porque o comunismo e a censura não me ajudariam em nada). Graças à baixíssima taxa de impostos e à ampla liberdade comercial, Hong Kong é um dos centros financeiros mundiais e o forte desenvolvimento da cidade traz executivos de todos os cantos do globo para cá. Peguei o mapa abaixo emprestado da Wikipédia, onde vocês podem encontrar muita informação interessante sobre Hong Kong.

Agora já é mais fácil entender por que a hospedagem é algo tão caro em Hong Kong. Mas nem tudo estava perdido, pois eu já sabia da existência de dois locais que costumam salvar os mochileiros e os viajantes menos afortunados. Chungking Mansions e Mirador Mansions são dois prédios enormes situados em uma área bastante movimentada de Hong Kong onde dezenas (talvez centenas) de estabelecimentos, aqui chamados de guesthouses, alugam quartos por quantias módicas para os padrões da cidade.

A visão do inferno e a redenção

Todos os reviews que eu li na Internet sobre as tais Mansions orientavam os mochileiros mais ou menos assim: depois de se assustar com a visão dos prédios, suba até o último andar e vá descendo, conferindo onde há vagas, contastando a condição dos quartos e pechinchando o valor quando uma guesthouse finalmente te agradar. Assim, lá fui eu com a cara e a coragem.

A fachada de Chungking Mansions: parece um Four Seasons, hein?

Mas descrição nenhuma da Internet é capaz de te preparar para aquela visão dantesca. Em Hong Kong, nos lugares onde há muita gente aglomerada (praticamente todos) habita um cheiro de murrinha que eu jamais havia sentido. E passando pelos corredores dos tais prédios, o primeiro contato com a falta de asseio da maioria dos moradores é repugnante. Além das tais hospedarias, os andares também são cheios de alfaiatarias, lojas de produtos espirituais e outras biroscas. Em meio a essa atmosfera contagiante, bati na primeira guesthouse, lá pro 16° andar de Chungking Mansions. O valor agradou bastante e pedi para o chinezinho de 1,50m de altura me levar até o quarto. Chegando lá, minha vontade era abrir a janela e me jogar lá embaixo na Nathan Road (ainda assim, o tamanho do vitral certamente não permitiria): o quarto tinha a largura do meu corpo e a cama  – se é que aquele aparato primitivo podia receber tal alcunha – era coberta por um colchonete que se mostrava menos confortável que uma caixa de geladeira desmontada. Tudo isso ladeado por uma parede que não via tinta desde a Dinastia Ming e coberto por um teto onde o mofo já havia pleiteado o usucapião.

Perceba como o corredor brilha de tão limpo

Depois de agradecer e falar que só daria “mais uma olhadinha”, sumi daquele andar – já pensando que o dinheiro dos próximos três meses de viagem seria utilizado em cinco dias de hospedagem num ótimo hotel em Hong Kong. Mas a esperança falou mais alto e continuei minha jornada 15 andares abaixo. Enquanto batia nas guesthouses, eu via de tudo: Montes de lixo jogado pelos corredores, calcinhas encardidas penduradas a poucos centímetros da cabeças dos passantes, confecções em que os trabalhadores descamisados costuram com o cigarrinho na boca e outras curiosas amostras dos hábitos orientais.

Depois de descer todos aqueles andares pela escada com uns 13kg nas costas, não vou negar que pensei em desistir, dormir no aeroporto ou adiantar a ida para Singapura. Mas continuei determinado, agora em Mirador Mansions. Deus deve ter ficado com dó de mim e acabei conhecendo lá pelo décimo andar o Sadvakkas, um jovem recém-formado que veio do Cazaquistão para Hong Kong com a cara e a coragem em busca de um emprego na área de finanças. Como os quartos duplos são bem melhores que os quartos simples, dividir um cômodo significa mais comodidade e menos gastos. Foi assim que finalmente encontramos um local satisfatório pra dormir. O quarto é microscópico, mas tem banheiro, ar-condicionado e wi-fi liberado!

É pequeno, mas é limpo e tem até janela

O bar de gelo

Depois que deixamos nossas coisas no quarto, Sadvakkas me apresentou Hong Kong. Mais tarde, fomos encontrar três amigas dele que vieram de Beijing para passar uns dias e fazer compras. Na região do SoHo (por aqui também tem Central Park e Times Square, acredite se quiser), onde se concentram as melhores baladas de HK, acabamos entrando no bar mais diferente que já vi. Em meio a paredes e móveis de gelo, tomei vodka pura em uma confortável temperatura de 42°C NEGATIVOS. E as meninas, que são russas, quase não acreditaram quando contei que nunca vi neve na minha vida.

Sim, o bar se chama Balalaika - é que esse é o nome de um instrumento musical russo

Eu e o Sadvakkas quase congelamos, porque só as meninas recebiam um casaco para entrar...

...mas a Tuyara e a Anna não tinham o coração gelado como dizem dos russos por aí

O Grande Buda

Como o Sadvakkas precisava procurar emprego, retomei a vida solitária de mochileiro em busca do encontro com o maior buda sentado do mundo, que repousa no alto das montanhas da Lantau Island – a mesma ilha em que se localiza o Aeroporto Internacional de Hong Kong. O Cristo Redentor está para os brasileiros assim como o Tian Tan Buddha para o povo de Hong Kong. A estátua estampa selos, materiais de divulgação e souvenirs.

Garotinho se diverte na fonte da estação Tung Chung

Para conferir o monumento peguei o metrô, que aqui é um negócio ainda mais complicado, e fui parar na estação Tung Chung, de onde se toma o ônibus para o vilarejo de Ngong Ping (o passe diário custa HK$ 35). O caminho percorrido pelo ônibus é muito bonito e deve ser ainda mais legal visto do bondinho (HK$ 98), mas não achei que compensaria pagar a diferença para fazer essa viagem sozinho. Para ver o Tian Than Buddha e o Monastério Po Lin, templo budista em que os fiéis fazem pedidos e agradecimentos, não é preciso pagar nada.

Uma panorâmica da praça onde começa a escadaria para o Grande Buda

Mulheres queimam incensos para fazer pedidos e agradecimentos ao Buda

Fiéis oram no monastério

Não sou muito fã de monumentos, mas a imponência desta estátua impressiona. O caminho todo valeu a pena – inclusive a escadaria que dá acesso à plataforma onde o Grande Buda nos observa. O lugar todo é tão bonito que nem dá vontade de ir embora, mesmo com aquela quantidade enorme de turistas. Portanto, se vier a Hong Kong, não deixe de pedir sua benção ao Tian Than Buddha.

Curtiu as primeiras histórias em Hong Kong? Deixe um comentário!

Anúncios
Esse post foi publicado em Hong Kong e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

51 respostas para Hong Kong: o primeiro contato com a Ásia

  1. Camila disse:

    Perfeito seu blog. Estou adorando!

  2. Michele Alvarenga disse:

    Fellipe adorei o seu blog…vou agora dia 20/08 para hong kong a trabalho e mesmo assim estou c medo rsrs…amei as suas dicas.Beijo

  3. Neli Cerqueira disse:

    Adorei os comentários sobre Hong Kong e não fiquei nem um pouco espantada, trabalhei com Chineses durante um ano e meio e deu para notar que a higiene não é o forte deles.
    Agora Hong Kong é fascinante, muito bonita a cidade e diferente de tudo que se viu ate agora.

    Beijos
    Sds

  4. Eder Ruffeil disse:

    Muito bom esse seu blog… conta coisas que as belíssimas reportagem de TV, que enchem os olhas, não citam e tratam como algo distante e de pouco contato ambiental… estou indo sozinho a hong kong e me senti um pouco mais confiante, pois estava com um receio dos impactos cultural e social….
    Valeu pelas dicas..
    Boa sorte na sua jornada

  5. Fantástico, HK, hein! Mto bacana! E q lugar era aquele q vc foi buscar um quarto?! rs…
    Da China segue pra onde?
    Abraços e boas viagens!

  6. Lilian Rose disse:

    Olá Fellipe! Sou amiga do Daniel Santiago, foi ele quem me passou o seu blog pra eu ir acompanhando seu mochilão ( apesar de não nos conhecermos né?!). Você está de parabéns por ter tomado esta atitude de viajar, fiz isso em junho, quando fiz um mochilão pela Europa, não me arrependi e hoje já morro de saudade! Foi muito bom viajar, conheci pessoas de vários lugares do mundo, diferentes costumes, comidas, enfim, muita coisa diferente, que só quem está vivendo isso pode saber.
    Você escreve muito bem ( típico de jornalista,rsrs ), nos faz “entrar” nesta viagem também! Estou adorando suas aventuras.
    Quais países você vai visitar na Europa? Se precisar de alguma dica sobre alguns, eu posso te ajudar. Conheci 13 países lá.
    Um abraço! E aproveite cada segundo do mochilão, porque passa muito rápido e depois você vai estar lembrando disso com saudade!!!

    • Fellipe Faria disse:

      Oi, Lílian! Gostei de saber que a divulgação do Daniel tá dando certo… vou contratar, haha! Esta viagem certamente está me transformando e tenho certeza que tudo isso que você disse é verdade… na Europa vou passar com certeza em Madri, Roma e Londres (além de Istambul, que tem o outro pé na Ásia), mas também queria conhecer Florença, Barcelona, Praga, Paris, Amsterdã… tanta coisa, tenho que ver como vai estar o orçamento em novembro! Aceito demais suas dicas, principalmente referente a gastos com comida e hostel! Abração e valeu pela ajuda! =D

      • Lilian Rose disse:

        Pode contratar o Daniel que ele tá divulgando direitinho! HAHAHA!!! Como meu namorado estava morando em Londres no ano passado, fui lá visitá-lo. Fiquei 20 dias e além de Londres, fui à Edimburgo na Escócia e em Cardiff em País de Gales. E este ano fiz um mochilão com ele, mas não foi longo como seu (quem me dera)! Viajei durante 26 dias e visitei 10 países. Pegamos um voo de Londres pra Roma (e de lá fizemos todos os percurssos de trêm) e assim seguimos para: Veneza, Lubiana (Eslovênia), Zagreb, Viena, Bratislava, Praga, Berlim, Amsterdã, Bruxelas, Paris.
        Dos lugares que você prentende ir eu posso dizer que Londres é maravilhoso! Impossível ir a Europa e não passar por lá. Roma é legal (mas sujo e com muito mendigo), dá pra fazer tudo a pé e tem O MELHOR sorvete do mundo. Não deixe de provar!
        Praga é lindooooo!!! Foi um dos lugares que mais gostei, comida muito boa e barata, cerveja de 1ª. Também dá pra fazer tudo a pé. A moeda não é euro. Se você não for, vai se arrepender! RS
        Pra mim, Amsterdã foi meio decepcionante. Mas acho que foi pessoal mesmo. Tava muuuuito frio e chovendo demais, o que atrapalhou bastante. Fizemos o roteiro a pé (a chuva não permitiu alugar uma bike), mas foi tranquilo. As entradas pros museus são carinhas. A cidade em si é legalzinha, muita doideira…não sei se eu voltaria lá, mas…
        Paris é sem comentários né?! Foi O LUGAR que mais gostei (mas empata com Londres).
        Caro! Tudo bem caro. Mas compensa!!! Foi nosso último destino, de lá pegamos o Euro star e voltamos pra Londres. Paris tem que ser parada obrigatória!
        Quando você decidir seus destinos europeus direitinho, eu posso te passar os nomes dos hostels com preços, comidas, lugares visitados, etc.
        Desculpa pelo tamanho do comentário. Rs
        Boa viagem!!!

      • Fellipe Faria disse:

        Lílian, adorei as dicas!!! E não precisa se preocupar com o tamanho do comentário, eu tô fazendo posts gigantescos mesmo… hehehe! Paris e Praga não estão inclusos na passagem mas vão ser destinos certos então. Depois vou te pedir os detalhes direitinho. Beijão!

  7. juliano nery disse:

    Vi o seu email na porta de aço do armário da CCCC em Itaperuna! Gostei mto da sua narrativa aí na Ásia! Um abraço e curta bastante!

    • Fellipe Faria disse:

      Juliano, cê tá trabalhando na Camargo Corrêa? Explica melhor isso aí, rapaz! =D
      Elogio vindo de um escritor é bom, hein? Abração!

      • Juliano Nery disse:

        Pois é, cara! Assumi uma vaga por aqui… Se tiver dicas da vida em Itaperuna, Carangola (e alguns locais menos cosmopolitas do q os q vc anda frequentando), mande pro meu mail!
        Abraços! Ta mto bacana esse seu diário de bordo!

  8. Poly disse:

    Nossa Bol! que incrível essa sua viagem heim?! e vou te falar, lendo seus posts parece que estou junto com você em cada momento! vc tah mandando bem d+ meu querido!!! mil beijos e estarei sempre por aqui…

  9. Eliza disse:

    Muito bom!! HK eh ótimo!!!
    Vc pretende ir a Macau?
    Se for e já estiver com saudades da comida Brasileira não pode deixar de visitar o restaurante Yes Brazil, Fica na subida das Ruínas de Sao Paulo, ultima direita antes de chegar às Ruinas, não tem erro!
    Comida Maravilhosa e a Maria (dona do restaurante) eh uma atração a parte!
    Boa sorte!

    • Fellipe Faria disse:

      Eliza, quando você deixou o comentário eu já tinha passado por Macau… que é o tema do próximo post! Que pena, essa comidinha brasileira vai ficar pra próxima! Não esqueça de deixar um comentário com as suas dicas sobre Macau no post que vou subir, hein? Beijo!

  10. Ciara disse:

    Que delicia o seu blog Felipe….cada vez q eu entro eu encontro um texto divertido e informativo, mas dessa vez confesso q me deixou preocupada….achei q vc teria que dormir naquele, como dizem os italianos : “schifo”. A foto com o quarto limpo me tranquilizou!!!!!!kkkkkk
    um bju

    • Fellipe Faria disse:

      Preocupa não, Ciara! Na hora a gente passa aperto mas uma hora depois a gente tá morrendo de rir da situação… hehe. Acho que a palavra “muquifo” deve ter ligação com esse “schifo” aí, hein? Beijo!

      • Ciara disse:

        kkkkkkkkkk………….sabe q eu tinha ate esquecido dessa palavra!!!!!!!Mas pode ser, combina bem!!!!!
        O convite continua de pé….se vc vier tem cama limpa e janela no quarto…rsrsrsrsrs…..e te espero com uma feijoada!!!!!!
        Bju

      • Fellipe Faria disse:

        Hum, só de ler a palavra “feijoada” minha boca encheu d’água, sério! Ciara, acho que uma passadinha por Torino não vai me fazer mal, hahaha! Te aviso com antecedência quando estiver indo pra Itália, OK? Beijão e brigadão mesmo pelo apoio!

  11. Renata N Oliveira disse:

    Incrível sua chegada ao Continente Asiático… Adorei a sua foto “pagando” de Buda… Show ! O Mochilão agora (.com) é maravilhoso. A gente viaja com você ! Fantástico …

  12. Josefa Faria disse:

    minha mae disse que voce vai adoecer, estava no bar de gelo sem blusa de frio! kkk

    • Fellipe Faria disse:

      hahahahahahahahahahahahahahahaha
      Avisa pra ela que dentro da câmara a gente não ficou por muito tempo não… acho que o perigo maior de passar mal tá na quantidade de vodka que a gente bebeu do lado de fora, hehe. Beijão!

  13. Andréa disse:

    Ei Fellipe!!! Estou adorando e achando um barato sua viagem (e que coragem!)
    Depois de ver aquela ‘acomodação’ o colchão lá de casa virou uma cama box das mais luxuosas!

    Beijão!! Tudo de bom!!!!

    • Fellipe Faria disse:

      Andréa, que saudade da minha cama box, hahaha! Bom saber que estou conseguindo transmitir um pouquinho desse turbilhão diário de acontecimentos pra vocês. Beijo!

  14. renato disse:

    Estou acompanhando e achando muito legal. O bom é que como você tem escrito bastante, quase sempre tem post novo. Isso é ótimo para quem acompanha o blog. Dá vontade de todo dia dar uma entradinha pra conferir se tem algo novo. Continue assim e boa viagem.

    • Fellipe Faria disse:

      Renato, minha vontade era postar todo dia, mas o jet lag, o cansaço das andanças e a instabilidade da conexão wi-fi têm me atrapalhado um pouquinho. Continue entrando diariamente que daqui a pouco o blog engrena de novo! Abração e valeu pelo apoio

  15. Josefa Faria disse:

    Nossa! é desagaradavel pra voce, mais foi o relato que mais gostei! adoro novidades, beijos

  16. Carolina Ziegler disse:

    Muiiiiito corajoso vc Felipe…eu teria dado meia voltar e procurado a Disney auhauhauhauhaua mas vai…continua na fé pq no futuro vc terá um livro sobre o que viu e sobre o q descobriu de si mesmo…
    beiiiiiiiijos

    • Fellipe Faria disse:

      Carol, que beleza de surpresa! E eu bem pensei em dar uma passadinha na Disneylândia de Hong Kong, mas não $abia $e daria tempo, hahaha! Valeu pela força. Beijão

  17. Horchata disse:

    Oi!
    HAHAHA! Estou vendo que sua viagem está sendo bem divertida e emocionante!
    Não sei o que faria ao me deparar com as acomodações! Te parabenizo por ter sido corajoso e não ter desistido! O que vale é a experiência e a história pra contar!
    Sua viagem começou agora! O bicho vai pegar e eu estarei aqui acompanhando tudo e torcendo muito por você! rsr Muito bacana!
    Abraço!

  18. Carol Cirino disse:

    Que show esse relato! Que tudo dê certo por aí! Curti o quarto escolhido!

  19. Kécia disse:

    Estou ávida por mais capítulos, digo, posts..hehe…
    Muito interessante essa diversidade cultural, os costumes e princ. os apertos para se virar!
    Agora devidamente instalado, esperamos posts diários! \o/
    Adoro sua maneira de narrar os acontecimentos.
    Parabéns Fillipe!
    Bjo.

  20. Breno disse:

    Pi,tah muito massa esse blog aê

    aki a vó ver vc todos os dias…

    adoramos vc…

    boa sorte em suas viagens ai!!!

    abraços e muitos beijooos de sua vó(IRENE)

    e seu primo(BRENO)

    • Fellipe Faria disse:

      Breno (e vovó),
      É uma felicidade receber notícias da galera do outro lado do mundo. Espero que esteja tudo às mil maravilhas por aí e que o blog ajude a matar um pouquinho da saudade! Abração!!!

  21. Leandro Kloser disse:

    Gente, tô adorando acompanhar a sua viagem, Felipe!! Muito bacana!

    • Fellipe Faria disse:

      Lê, um elogio seu vale muito, você sabe! Você precisava estar aqui em alguns momentos… seria muito divertido! Continue acompanhando (e deixando comentários, hehe). Abração

  22. Lya disse:

    Oi Fellipe! Tava esperando esse post rs. Minhas certezas sobre os hostels de HK se materializaram com suas palavras e suas fotos! Fechei com o Ibis mesmo.Adorei a dica do pub russo. Vou adicionar a lista. O Grande Budha já é certeza! Espero mais dicas e histórias suas de HK. Boa viagem, boa sorte, se cuida. Bjs Lya

  23. Huahuahuahuahua…Bolshoi e suas aventuras malucas! Vai na fé e se divirta!
    Tô acompanhando tudim como se fosse um livro.
    🙂

    • Fellipe Faria disse:

      Lu, é pra acompanhar mesmo… até tô tentando manter atualizações constantes, mas às vezes é impossível (wi-fi capenga, computador dando pau, ressaca do autor…)! Beijão

  24. Well that’s a nice blog, although I don’t understand a word of it 😉
    You really see a lot of cool places.
    I expect you here in Belgium in a couple of weeks!
    I have food, a bed and a car.

    Friendly greetings.

    Ruben, the Belgian Golden Gate Guy

    • Fellipe Faria disse:

      This blog is really becoming important… Até o Ruben da história da foto na Golden Gate apareceu! Deve ter visto o post no Facebook e deu uma passadinha pra ver o que este maluco anda aprontando. Bom saber que na Bélgica não morro de frio nem durmo na rua, hehe. Ruben, use the google translator and you can read all the posts! See ya man! =D

  25. Nossa!! Muito legal!! Esses choques culturais são as coisas mais divertidas!!
    Ah.. e eu sugiro q vc se habitue a nhaca, qndo chegar a Istambul ela estará por toda parte!!!
    Adorando e me inspirando!! BJo Bol!!

Comentários, sugestões, dúvidas? Respondo a todos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s